terça-feira

Estrangeira

Bianca Alves
O amor tem limitado meus dias
Sem ele não sou
Não pertenço aos lugares
Nem desarrumo as malas
Sinto-me uma estrangeira em pleno carnaval
trocando as pernas
tomando caipirinha
suando com vatapá
Acabo num banheiro sujo, vomitando a alma e pedaços inteiros de mim
Volto, danço, danço, rodopio
me encanto com gentes
cores, sons, cheiros
abraço outros abraços
nada que me aqueça
ando um pouco e esqueço
volto para o hotel
estranho a cama, nada me abraça e faz tanto frio
cato roupas, pertences e parto
é outra cidade
costumes, culturas e gentes, o novo sempre me atrai
Mas
nada que me faça querer ficar
Estou só
E percebo com uma tristeza quase bonita
que continuo estrangeira do corpo e da língua que inventamos.

2 comentários:

  1. Adorei o texto, Bi..
    Sinto saudade de ler continuamente!
    A sua dor é quase bonita... se não fosse dor! Também dói em mim às vezes, também dói em todo mundo.. de criança a idoso!
    Forte teu texto.. tava com saudade mesmo!
    Bjo, linda.

    ResponderExcluir
  2. eduardo gomes13.12.08

    Adorei!
    Espero que seja só literária sua dor,do contrário, torço pra que você fique bem. Belo blog

    ResponderExcluir

""Erótica é a alma""

Adélia Prado